A velocidade dos óbitos no Brasil.

         O que o governo federal fez? Neste septuagésimo quarto artigo inicio com essa pergunta tão difícil de ser respondida com o propósito de questionar o governo a respeito da suspensão e retirada de 299 (duzentos e noventa e nove) radares portáteis e estáticos em funcionamento nas rodovias federais por todo o país. No artigo vamos abordar diversos apectos ruins que tal medida pode trazer à vida da população brasileira.

 

I – Aumento, substancial, em acidentes nas rodovias com maior potencial destrutivo;

 

II – Aumento em feridos graves e ÓBITOS;

 

III – Crescimento galopante com gastos com atendimento de feridos nos hospitais já sucateados;

 

IV –  Aumento no pagamento do seguro DPVAT;

 

V – Danos psicológicos;

 

VI – Danos neurológicos;

 

VII – Danos ao patrimônio público;

 

VIII – Dentre muitos outros…

 

 

Com a suspensão e retirada dos radares nas rodovias federais, haverá um aumento da velocidade dos veículos e, por consequência, a diminuição da segurança ocasionando a elevação do número de acidentes graves e com mortes em nossas rodovias. Neste momento faço um questionamento retórico: Por que menciono apenas acidentes de maior potencial ofensivo, ou seja que provoquem lesões graves ou mortes? Simples, porque em rodovias a velocidade dos veículos é infinitamente maior, com grande possibilidade de ocorrer acidentes graves.

 

         Grande parte da população entende que os radares servem apenas para arrecadação de valores – indústria da multa – porém isso não é verdade, existe um conceito deturpado. Os radares é uma forma de tentar coibir o abuso de velocidade que, hoje em dia, é a principal causa dos acidentes graves no país. A não fiscalização por meio dos equipamentos eletrônicos nas rodovias, com certeza, irá tornar o trânsito mais mortal do que é hoje e não adianta apelar para “conscientização” do motorista, pois isso não surte qualquer efeito prático, as pessoas continuarão a “enfiar o pé no acelerador”.

 

         Tenho a convicção que o absurdo da suspensão e retirada dos radares móveis e estáticos das rodovias federais é um ato de total descabimento que existe, pois daqui a pouco tempo os acidentes graves e com óbitos aumentarão vertiginosamente afetando motoristas, passageiros, famílias e até o prórpio governo, é um verdadeiro “tiro no pé”. O fato é que sofreremos consequências gravíssimas de uma caminho sem volta desse retrocesso.

 

         Apenas o acidentado e a família da vítima tem a noção do estrago que um acidente de trânsito pode provocar.  

 

A corrupção é a doença que mata o Brasil.

 

Até a próxima

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *